Início » The Last of Us: Explicamos o beijo humano-zumbi do 2º episódio
Destaque HBO Max Notícias

The Last of Us: Explicamos o beijo humano-zumbi do 2º episódio

Cena chocou os telespectadores de The Last of Us. (Foto: Divulgação)

Os telespectadores visualizaram uma das cenas mais nojentas e bizarras do ano no segundo episódio de The Last of Us. Exibido através do HBO Max, o segundo episódio da série trouxe uma das cenas mais esquisitas até o momento. 

A princípio derivada dos jogos que leva o mesmo nome, a série se passará 20 anos depois da quase extinção humana. Assim, com a grandiosa missão de salvar Ellie (Bella Ramsey) e levá-la para uma zona fora da quarentena realizada por agentes, Joel (Pedro Pascal) viverá uma grande aventura ao lado da garota. Além disso, os dois precisarão se manter juntos para conseguir ultrapassar por todos os obstáculos que surgirão. 

Veja também –  Skeleton Crew: Novo spin-off de Star Wars encerra filmagens principais

Por outro lado, o segundo episódio trouxe grandes revelações durante a sua passagem. A primeira aparece surpreendendo a todos com a infecção de Tess, o que acarretará grandes mudanças na jornada de Ellie e Joel durante a trama. 

O beijo humano-zumbi de The Last of Us

Tentásculos na boca do zumbi chocou os telespectadores. (Foto: Divulgação)

A princípio, o segundo episódio começa quase de onde o primeiro parou. com Joel e Tess (Anna Torv) levando Ellie para a State House para se reunir com os Vaga-lumes. No entanto, o trio trava lutas contra alguns Estaladores até chegarem ao local e se depararam com todos os Vaga-lumes mortos. 

Veja também –  Imperdível: confira 10 produções originais que estrearão na Netflix em fevereiro

No entanto, uma revelação bombástica chega à tona, Tess está infectada. A mulher fora mordida por um dos Estaladores no início do episódio, onde as câmeras não mostraram, e se dá conta de qual Ellie é especial por sua imunidade, uma vez que ela está sendo corrompida pelo fungo. 

Dessa forma, Tess se sacrifica para que Joel e Ellie continuem a jornada em busca da cura. Ficando para trás como forma de atrasar os infectados que os perseguem, Tess começa a jogar barris de óleo num prédio cheio de granada, mas a sua ideia dá errado quando o isqueiro que ela utiliza não funciona imediatamente. Sendo assim, a mulher é atacada por um infectado dando a cena mais bizarra da série até aqui. 

Veja também –  Jason Momoa nega fim de Aquaman e sugere novos papéis na DC: “Muitas coisas legais”

O zumbi, que possui umas garrinhas saindo de sua boca, beija Tess como forma de passar a infecção Cordyceps. O uso das garras, ou tentáculos, foi uma opção do HBO Max e dos produtores da série em substituição aos esporos originalmente. Acredita-se que os esporos funcionem melhor em produções de jogos, sendo inviável para produções de TV. 

Dessa forma, diversos infectados aparecerão com tentáculos em suas bocas como forma de passar a infecção através de mordidas, e, como em Tess, com beijos. 

Criadores falam sobre o “beijo da morte”

Esperando toda a polêmica sobre o beijo, os criadores resolveram explicar com mais detalhes sobre o assunto. De acordo com Craig Mazin e Neil Druckmann, para a EW, os infectados não precisam serem violentos a todo o momento. 

Veja também – That ’90s Show terá 2ª temporada? Tudo o que sabemos até agora

De acordo com a dupla, os infectados podem aparecer como criaturas pacíficas se não houver resistência à infecção. Além disso, ambos confirmaram que a infecção não se transmite pela mordida em si, mas pelas garrinhas que vêm da boca dos zumbis. 

“Os infectados não precisam ficar violentos, a menos que você esteja lutando contra eles, para evitar que eles espalhem a infecção ainda mais. Isso é realizado dessa maneira linda, mas horrível, com Anna Torv (intérprete de Tess).” 

Veja também –  Chicago Fire: ator abandona série e alega problemas pessoais

Por fim, o segundo episódio da série The Last of Us já está disponível para streaming no catálogo do HBO Max.

Sobre o autor

Valtean Borges

Graduando em Geografia, aventuro-me no mundo da escrita como forma de explorar minha paixão pela 7ª arte. No Guia de Séries tenho a possibilidade de contar e viver histórias que, no futuro, servirão como grandes clássicos para as próximas gerações.

Comentar

Clique aqui para publicar um comentário