Início » Entenda o salto temporal da 8ª temporada de Fear the Walking Dead
Amazon Prime Video Notícias Star+

Entenda o salto temporal da 8ª temporada de Fear the Walking Dead

Elenco de Fear
Salto temporal acontece na temporada/divulgação.

Muitos fãs se surpreenderam ao perceber que o primeiro capítulo da 8ª e última temporada de Fear the Walking Dead é ambientado 7 anos após o desfecho da temporada anterior. Sendo assim, o que explica esse salto temporal? Contaremos tudo! Para quem não sabe, “Remember What They Took from You”, o 1º episódio, foi ao ar no último domingo (14 de maio) nos EUA e bugou a cabeça de muita gente.

É importante lembrarmos que, no final da 7ª temporada da série, os fãs se surpreenderam com o retorno de Madison Clark, que estava sumida desde o quarto ano. O episódio final do 7º ano também ofereceu ao público algumas pistas importantes sobre a verdadeira atuação da P.A.D.R.E.. Em um papo recente com a imprensa, Ian Goldberg, o co-showrunner da derivada de The Walking Dead, explicou o motivo por trás do salto temporal.

“Tivemos essa ideia enquanto estávamos planejando essa temporada”, confirmou ele ao site Insider. “Começamos a introduzir o P.A.D.R.E. como locação ainda na 7ª temporada. Descobrimos algumas coisas pelos olhos da Madison ao final do sétimo ano, e aí, pela perspectiva dela, entendemos o verdadeiro credo desse lugar: separar crianças dos pais, destruindo conexões entre pessoas”, completou Goldberg.

Veja também – Luz: primeira série infantojuvenil nacional da Netflix é estratégia após derrota para o Prime Video

Quanto à extensão do salto temporal, os showrunners escolheram um período de 7 anos para o crescimento de Morgan, a filha de Rachel e Isaac (interpretada por Zoey Merchant na 8ª temporada). Nestes novos episódios, a ex-bebê já aparece como uma criança. Presa na base do P.A.D.R.E., ela chega até mesmo a ganhar um novo nome: Wren.

“Queríamos mostrar o que pode acontecer com uma criança que cresce dentro da P.A.D.R.E. Com a bebê Mo, encontramos a maneira perfeita de fazer isso. Por isso, ela já não é mais um bebê quando a encontramos novamente. Acho que essa é a melhor maneira de dramatizar o que é crescer, como uma criança, sob a filosofia da organização”, diz o co-showrunner.

Sobre o autor

João Mesquita

Comentar

Clique aqui para publicar um comentário