Início » 5 Séries Netflix com notas baixas no Rotten Tomatoes
Dicas de séries e filmes Netflix Notícias

5 Séries Netflix com notas baixas no Rotten Tomatoes

(Foto: divulgação)

 

Já pensou em ficar de bobeira em casa, ter aquela vontade de assistir uma série e antes de terminar o primeiro episódio, vem a sensação de que você desperdiçou o seu tempo e a sua pipoca?

Ok! É de conhecimento público que para um filme ou série ser considerado bom, depende de uma única opinião, a sua. Mas não custa nada dar uma olhadinha em como aquela produção foi avaliada pela crítica e pela audiência, também. Por isso, existe o Rotten Tomatoes, para termos uma ideia de como aquilo que queremos ver, foi visto pelas outras pessoas.

Antes de mais nada, vamos explicar o que é e como funciona o Rotten Tomatoes!

Ele é um site agregador de críticas e comunidade virtual para quem curte cinema e TV. O nome Rotten Tomatoes, ou Tomates Podres (em tradução livre), é uma referência à época em que as pessoas assistiam espetáculos de rua e quando não gostavam do que viam, atiravam tomates, frutas e outros alimentos podres em cima daqueles que se apresentavam.

O Rotten Tomatoes não faz críticas, ele apenas às agrega. No caso das séries a avalição pode ser feita do primeiro episódio ou da série como um todo e depois é feita uma média.

Agora que você já entendeu sobre o Rotten, vamos ver, em ordem alfabética, quais são as séries Netflix com nota mais baixa nesse site!

 

A Vizinha da Mulher na Janela

(Foto: divulgação)

Nem o carisma e a divertida interpretação de Kristen Bell são suficientes para amenizar os tropeços da série “A Vizinha da Mulher da Janela”.

Criada para ser uma paródia do filme “A Mulher da Janela” (2021), estrelado por Amy Adams, a trama é uma repetição incessante de fórmulas e clichês que atrapalham a produção de encontrar um ritmo de comédia que prenda o espectador.

Não é à toa que a série teve uma de 54% na avaliação dos críticos e 46% da audiência!

 

Anatomia de um Escândalo

(Foto: divulgação)

A trama de “Anatomia de um Escândalo” – baseada no livro homônimo de David E. Kelley – é ambientada em Londres, onde vive o primeiro-ministro James Whitehouse (Rupert Friend), acusado de abuso sexual pela assistente de trabalho – e amante – vivida por Naomi Scott.

O ponto fraco está quando a minissérie se propõe a discutir essa situação para além das relações pessoais entre os envolvidos. A tal da Anatomia do título, nada mais é do que um mapeamento com início, meio e fim do personagem que ocupa o cargo mais importante.

Dos críticos do Rotten a série levou nota de 58% e do público saiu a média com apenas 45%.

Resident Evil – A Série

(Foto: divulgação)

O complicado em fazer uma série de uma franquia tão popular quanto “Resident Evil” é lidar com as expectativas, que geralmente estão nas alturas. Mas como diz o ditado: quanto mais alto, maior a queda!

E “Resident Evil – A Série”, a queda foi gigantesca! Roteiro, atuação, CGI, maquiagem, direção de arte ou fotografia. Escolha a categoria que quiser e verás que nenhuma chega ao mínimo esperado para uma produção do gênero. É completamente surreal, no sentindo ruim, o que se vê nos 8 episódios dessa primeira temporada.

Chega a ser surpreendente os 55% de nota da crítica, mas o público externou sua opinião com o a nota de apenas 26%.

Respire!

(Foto: divulgação)

Apesar da minissérie “Respire!” ter ficado nas primeiras posições do Top Brasil da Netflix, sua avaliação não foi tão positiva assim pelo mundo à fora.

A trama que prometia mostrar a luta de uma advogada de Nova York, que sofre um acidente aéreo e precisa sobreviver na selva, acabou se perdendo em intermináveis flashbacks que passaram a ser mais importantes na história que o drama da protagonista.

Como consequência dos direcionamentos da trama, a nota do Rotten é de 53% da crítica e somente 36% da audiência.

Sex/Life

(Foto: divulgação)

A série “Sex/Life” prometeu muito e entregou praticamente nada. A trama mira ser um “50 Tons de Cinza” mas chegou perto de acertar em “365 Dias”.

A trama nos mostra a história de Billie Connelly (Sarah Shahi), uma mulher casada que possui uma vida, chata, ao lado do marido (Mike Vogel) e filhos. O perigo à tradicional família americana é a tentação da protagonista no personagem Brad Simon (Adam Demos), seu ex-namorado e amante sedutor.

Uma história que promete ser libertária e esbarra o tempo todo no moralismo, acabou ganhando somente 21% da crítica e 35% da audiência.

Tags

Sobre o autor

Roberson Gramosa

Sou publicitário, cinéfilo, amante das séries e adoro ficar por dentro de tudo que acontece na frente e atrás das câmeras. Acompanho a cultura pop antes mesmo dela se chamar assim. Enquanto uns demonstram sua paixão pela sétima arte comendo pipoca, eu prefiro, literalmente, as palavras.

Comentar

Clique aqui para publicar um comentário